domingo, 11 de junho de 2017

Já merecíamos!...

Fonte: Expresso


Começam a ser poucas as dúvidas de uma cada vez mais considerável faixa de portugueses, sobre a qualidade que, finalmente, um governo do seu país exibe em cada dia, mês e ano que se vão sucedendo e sobre a envergadura política exibida por um líder que, também finalmente, o Partido Socialista terá conseguido parir em tempos recentes!...

Se bem que ainda longe da maioria absoluta - que se situará em valores próximos dos 45% - o PS continua a distanciar-se de todos os demais partidos, mesmo daqueles que lhe suportam a "geringonça" e, paulatinamente, quase em pés de lã, para além de começar a fazer os nervos em franja à direita mais retrógrada da Europa, obviamente que começa a deixar preocupados os seus parceiros parlamentares, inibidos de qualquer veleidade e diminuídos na sua capacidade reivindicativa que nem a retórica verbal disfarçará, conseguindo mesmo António Costa e Mário Centeno, atingir um quadro impensável no arranque, que começa agora a apontar para uma cada vez mais leve e ao mesmo tempo menos notória necessidade de excessivas concessões orçamentais.

Uma impensável e invejável posição de força de António Costa e dos seus ministérios que, face às perspectivas económicas favoráveis e a uma real e factual ausência de oposição política, seja à esquerda, seja à direita, poderá catapultá-lo para a maioria absoluta em que certamente nunca terá pensado.

Mas antes disso, cada vez mais se afigura como muito provável que António Costa poderá muito bem desenhar lá para Outubro, aquele sorriso bonacheirão, sereno, tranquilo e optimista a que todos já nos habituámos!...


Já merecíamos!...

Até breve

segunda-feira, 5 de junho de 2017

A firmeza que faltou antes!...


«1. Para além de não ter base constitucional nem legal - pois os juízes não são trabalhadores por conta de outrem (muito menos trabalham sob instruções de outrem), mas sim titulares de cargos públicos (aliás, titulares de um órgão de soberania) -, a greve anunciada pelo (pouco representativo) sindicato dos juízes é muito pouco consentânea com a própria dignidade da função judicial.

Mas se há juízes que se dispõem a autoassimilar-se a trabalhadores assalariados para recorrerem à greve, talvez seja de recordar que um dos instrumentos de que o Estado dispõe para combater greves que ponham em causa interesses públicos essenciais é o da requisição civil, com as inerentes sanções disciplinares e penais para quem não acatar as respectivas obrigações. Não seria propriamente edificante para a imagem social dos juízes envolvidos.

2. Penso que esta ameaça de greve não pode ser encarada de ânimo leve pelo Governo, tanto mais que ela visa explicitamente perturbar o processo eleitoral das autarquias locais.
Além de não dever manter qualquer contacto com o sindicato - até porque as condições do exercício de cargos públicos não devem, por princípio, ser objecto de negociação sindical nem colectiva - e de não ceder à chantagem sindical, o Governo deve tornar claro, desde o princípio, que não tolerará nenhuma perturbação concertada da actividade judicial e que não hesitará em tomar todas as medidas legalmente disponíveis para a evitar e para fazer sancionar os responsáveis, se ela ocorrer.


Sendo juíza-conselheira do STJ, a ministra da Justiça tem nesta circunstância uma dupla responsabilidade: (i) assegurar sem hesitações a autoridade do Estado e a prevalência do interesse público e (ii) salvaguardar a dignidade da função judicial, posta em causa pelo indecoroso radicalismo sindical.»
(Vital Moreira, in Causa Nossa)


Para o cidadão comum, naturalmente distante da complexa teia que envolve toda a arquitectura jurídica que suporta e rege o estado de direito a que julga pertencer, mas profundamente preocupado com o caminho que a "folclórica turba de 'biscoitos paupérios' armados em magistrados" tem vindo a percorrer na pretensa luta que julga poder travar com o poder executivo, eleito pelo povo ao contrário do poder a que essa mesma turba se arroga, este recado de Vital Moreira, um dos nossos mais proeminentes constitucionalistas e contribuinte lúcido e empenhado na construção da arquitectura constitucional que contra ventos e marés continua a preservar a nossa essência de povo livre e senhor do seu destino, é um bálsamo de alívio e de esperança!...

As exemplares e singulares serenidade e espírito de concórdia, sem que alguma vez tenham deixado de ser firmes e convictas, exibidas nas palavras do primeiro-ministro acerca de tão candente matéria, já nos tinham anunciado que "a procissão dos paupérios" muito dificilmente não estaria condenada ao fracasso. A tal facto tem-se juntado o inteligente silêncio da ministra da Justiça, o que naturalmente acabou por reforçar o sentimento do cidadão comum sobre para qual dos lados a razão acabaria por tender. Agora Vital Moreira acaba por dar o "golpe de misericórdia"  na "escassa representatividade" de quem se julga, umas vezes ungido pelos santos óleos, outras vezes meros trabalhadores assalariados com pleno direito de recorrer à greve: o Sol na eira e a chuva no nabal!...

Quarenta e três anos de democracia já nos trouxeram sucessivamente as mais variadas amostras sobre a génese de uma extensa maioria de quedas de primeiros-ministros: a falta de firmeza perante o(s) corporativismo(s) herdado(s) da ditadura...

O que o cidadão comum hoje espera de "geringonça" será, para além dos inegáveis sucesso económico e melhoria das condições de vida do povo que somos, através  das políticas que tem vindo a implementar,  tão só...

A firmeza que faltou antes!...

Até breve 

quinta-feira, 1 de junho de 2017

Je suis "O jumento"!...

A lição

«O último ano e meio merece uma reflexão profunda, quer no plano político quer no da política económica. Pela primeira vez um governo formado e apoiado exclusivamente à esquerda adopta uma política de austeridade conseguindo reduzir o défice a níveis históricos, conseguindo níveis surpreendentes de criação de emprego e de crescimento. Foi um ano e meio em que se derrubaram tabus e preconceitos e com sérios motivos para reavaliar algumas certezas no domínio da política económica.

É possível o Estado ser gerido com rigor e austeridade com diálogo e consenso, é possível conciliar austeridade com equidade, é possível adoptar uma política de reequilíbrio das contas públicas sem comprometer o crescimento económico. Comparando o que este governo fez em ano e meio com o que se viu anteriormente é evidente que estamos perante uma política económica conduzida com competência, por oposição a uma política económica velhaca que em vez do progresso colectivo estava orientada para que uns enriquecessem à custa de outros.

Ainda há poucos meses Passos dizia que os investidores só confiavam na direita, um tabu defendido por uma direita imbecil, convencida de que os investidores só apostam em Portugal quando personagens como Cavaco, Passos, Marques Mendes, Durão Barroso e outras estão no governo. Um segundo tabu que foi derrubado é o de que a direita é mais competente e rigorosa do que a esquerda. 

Quando Passos ganhou a eleições o seu “progenitor” Miguel Relvas chegou a declarar que com a direita portuguesa no governo as agências de rating não tardariam a tirar a dívida portuguesa do “lixo”. Foi o que se viu, é com um governo de esquerda que a Comissão Europeia, de uma Europa maioritariamente governada pela direita, retirou Portugal do procedimento dos défices excessivos e apela às agências de rating para uma revisão urgente da notação atribuída à dívida portuguesa. O economista tantas vezes gozado pela direita portuguesa é hoje reconhecido como um candidato à presidência do Eurogrupo.

A economia cresceu, o país está confiante, os investidores internacionais voltam a olhar para o país, as exportações cresceram apesar das dificuldades em mercados como o de Angola, Venezuela e Brasil. Tanto a direita como a esquerda terão muito para aprender, terão muitos preconceitos e tabus para abandonar. A direita e os seus economistas terão de perceber que em economia não há verdades absolutas e que as suas escolas não são melhores do que as dos outros. A esquerda tem de aprender que os trabalhadores têm muito mais a ganhar com crescimento económico e uma gestão rigorosa e competente do estado, do que com défices descontrolados e gloriosas lutas laborais
(in O Jumento)

Não deflagrou nenhuma "bomba" neste blog, mas haverá muita gente chamuscada!...

Je suis "O jumento"!...

Até breve

terça-feira, 25 de abril de 2017

"O cravo não é um guarda-chuva"!...




Dentro de poucos dias completar-se-ão três anos sobre o dia em que, devidamente acondicionado, me chegou a casa, depois de expedido pelo próprio autor que, juntamente com outras obras suas, havia patrocinado a exposição "Revoluções e Revolucionários" de comemoração do 40º aniversário da Revolução de Abril, levada a cabo pela Câmara Municipal de Marco de Canavezes.

Arrebatadamente apaixonado pela obra, tinha lamentado alguns dias antes, com tristeza e perante o autor e meu amigo "facebookiano", a minha mais do que provável incapacidade financeira para a sua aquisição. Olhe que não, amigo, olhe que não! Então, como assim? E do outro lado veio o preço. Em números tão redondinhos e atraentes, embora um pouco acima da "uva mijona", que fechei os olhos e lhe retorqui: o quadro é meu! Será concerteza, bastará que a minha conta bancária mo confirme em três dias! Claro que a decisão estava tomada e a conta confirmou. E passada uma semana a história terminou como acima a iniciei...

Sempre que me assaltam os medos e os ventos do regresso àqueles 28 anos que passei em ditadura, sento-me em frente a esta obra que me envaidece e faz estremecer por dentro e deixo escorrer pela face lágrimas irmãs daquelas que não fui capaz de conter durante aquele dia de há 43 anos, passado inteirinho agarrado ao televisor!...

O título continua a ser aquele que Marinho Neves escolheu e no qual, apesar dos meus medos e por causa de tantos ventos que por vezes varrem a nossa terra, continuo a acreditar, embora pelo rabo do olho continue de pé atrás...

"O cravo não é um guarda-chuva"!...

Até breve 

terça-feira, 18 de abril de 2017

Dar a volta à sua gente!...


Lagarde  e Teodora mais optimistas: afinal economia portuguesa acelera este ano (LINK)


Afinal para desespero das duas "velhas agoirentas" e de muitos outros "velhos macumbeiros" que dentro de portas e lá por fora até com os dedões dos pés fazem figas, a "geringonça" vai coleccionando "centenas" de números agradáveis, enquanto vai prosseguindo a limpeza da "merda" que encontrou!...

Uma pena que no meio do relativo sucesso daquilo a que prefiro chamar "besidróglio" e que os dicionários referem com muita substância, como importante fonte de comida de ovelhas, carneiros, bodes e cabras, a Francisca Eugénia ainda não tenha conseguido... 

Dar a volta à sua gente!...

Até breve

quarta-feira, 5 de abril de 2017

Escutar a resposta no vento!...


Luís Paulo Rodrigues
4 h

                


Sim. Não nos restará outra alternativa que não seja...

Escutar a resposta no vento!...

Até breve