quinta-feira, 13 de julho de 2017

Se calhar, Vasco Lourenço é muito capaz de ter razão?!...



Assalto a Tancos: 
"Suspeito muito que isto é encenado"

Vasco Lourenço considera que assalto pode ter sido inventado "para provocar toda esta turbulência que tem sido uma coisa extraordinariamente grande de ataque ao Governo". Para o presidente da Associação 25 de Abril "há muita coisa a investigar".


«Porque nós sabemos que esta solução que está a vigorar em Portugal é uma solução que representa uma esperança para muitos países na Europa e está sob fogo cerrado e é preciso abatê-la de qualquer maneira. E depois assistimos à hipocrisia dos responsáveis por nos terem levado onde nos levaram, a gritarem 'aqui d’el rei é preciso demitir ministros'.»
(Vasco Lourenco, à SIC Notícias, in NotíciasaoMinuto)


Se calhar, Vasco Lourenço é muito capaz de ter razão?!...


Até breve

terça-feira, 11 de julho de 2017

A liberdade é de todos, mesmo dos que a prendem!...




A liberdade vai andando por aí ziguezaguendo à toa e cada um aproveita o bocado que lhe interessa... 

A liberdade é de todos, mesmo dos que a prendem!...

Até breve

Homenagem a Vieira da Silva




Em dia de aniversário do meu amigo e companheiro de jornada Vieira da Silva, a minha homenagem.

Fascismo e guerra nunca mais!...

Até breve

terça-feira, 27 de junho de 2017

Todas as ditaduras partem de gérmenes desta natureza!...


Luto em memória de Passos Coelho


«Lamento informar, mas mal vi Pedro Passos Coelho anunciar que vários cidadãos de Pedrógão Grande se suicidaram ou tentaram suicidar-se devido ao abandono a que os votou o governo, não deixei de sentir solidariedade com o sofrimento e indignação do líder do PSD e decidi ir para o velório e funeral da mais recente vítima de Pedrógão.

O suicídio de Passos Coelho foi um verdadeiro acto de coragem, depois de ter proposto uma comissão técnica, para logo de seguida ceder à populaça do seu grupo parlamentar, exigindo um debate parlamentar para soltar nos abutres no hemiciclo, só restava o suicídio a Passos Coelho. Era certo que o homem ia suicidar-se, só não se sabia quando e onde.

Passos Coelho suicidou-se em directo, começou com uma tentativa falhada de suicídio no quartel dos bombeiros de Pedrógão, mas como falhou optou por completar o serviço em Odivelas. Chamou os jornalistas, para um directo à entrada para o local onde o desgraçado do Seara ia apresentar a sua candidatura a Odivelas, com a intenção de fazer um pedido de desculpas, pelo pecado do suicídio matinal na forma tentada. Mas fez a pior intervenção de toda a sua carreira política, chegando ao ridículo de dizer que se ocorrer um atentado bombista a culpa é sempre do governo.

O homem já desejou a vinda do diabo há precisamente um ano, agora achou que o diabo estava em Pedrógão para o ajudar, mas como ninguém se matou para o ajudar a sobreviver, chega ao ridículo de sugerir que o diabo ainda pode regressar sob a forma de bombista suicida.»
(in O Jumento, Umas no cravo outras na ferradura)

Às vezes ponho-me a pensar como foi possível termos sido governados durante uma legislatura completa e mais um "tempito de nojo" à conta da "múmia do Poço de Boliqueime", por uma criatura desta estirpe?!...

E como ainda hoje é possível que o maior partido da oposição nos dias que correm, continue a ser liderado por tão anedótico exemplar?!...

Todas as ditaduras partem de gérmenes desta natureza!... 

Até breve




domingo, 11 de junho de 2017

Já merecíamos!...

Fonte: Expresso


Começam a ser poucas as dúvidas de uma cada vez mais considerável faixa de portugueses, sobre a qualidade que, finalmente, um governo do seu país exibe em cada dia, mês e ano que se vão sucedendo e sobre a envergadura política exibida por um líder que, também finalmente, o Partido Socialista terá conseguido parir em tempos recentes!...

Se bem que ainda longe da maioria absoluta - que se situará em valores próximos dos 45% - o PS continua a distanciar-se de todos os demais partidos, mesmo daqueles que lhe suportam a "geringonça" e, paulatinamente, quase em pés de lã, para além de começar a fazer os nervos em franja à direita mais retrógrada da Europa, obviamente que começa a deixar preocupados os seus parceiros parlamentares, inibidos de qualquer veleidade e diminuídos na sua capacidade reivindicativa que nem a retórica verbal disfarçará, conseguindo mesmo António Costa e Mário Centeno, atingir um quadro impensável no arranque, que começa agora a apontar para uma cada vez mais leve e ao mesmo tempo menos notória necessidade de excessivas concessões orçamentais.

Uma impensável e invejável posição de força de António Costa e dos seus ministérios que, face às perspectivas económicas favoráveis e a uma real e factual ausência de oposição política, seja à esquerda, seja à direita, poderá catapultá-lo para a maioria absoluta em que certamente nunca terá pensado.

Mas antes disso, cada vez mais se afigura como muito provável que António Costa poderá muito bem desenhar lá para Outubro, aquele sorriso bonacheirão, sereno, tranquilo e optimista a que todos já nos habituámos!...


Já merecíamos!...

Até breve

segunda-feira, 5 de junho de 2017

A firmeza que faltou antes!...


«1. Para além de não ter base constitucional nem legal - pois os juízes não são trabalhadores por conta de outrem (muito menos trabalham sob instruções de outrem), mas sim titulares de cargos públicos (aliás, titulares de um órgão de soberania) -, a greve anunciada pelo (pouco representativo) sindicato dos juízes é muito pouco consentânea com a própria dignidade da função judicial.

Mas se há juízes que se dispõem a autoassimilar-se a trabalhadores assalariados para recorrerem à greve, talvez seja de recordar que um dos instrumentos de que o Estado dispõe para combater greves que ponham em causa interesses públicos essenciais é o da requisição civil, com as inerentes sanções disciplinares e penais para quem não acatar as respectivas obrigações. Não seria propriamente edificante para a imagem social dos juízes envolvidos.

2. Penso que esta ameaça de greve não pode ser encarada de ânimo leve pelo Governo, tanto mais que ela visa explicitamente perturbar o processo eleitoral das autarquias locais.
Além de não dever manter qualquer contacto com o sindicato - até porque as condições do exercício de cargos públicos não devem, por princípio, ser objecto de negociação sindical nem colectiva - e de não ceder à chantagem sindical, o Governo deve tornar claro, desde o princípio, que não tolerará nenhuma perturbação concertada da actividade judicial e que não hesitará em tomar todas as medidas legalmente disponíveis para a evitar e para fazer sancionar os responsáveis, se ela ocorrer.


Sendo juíza-conselheira do STJ, a ministra da Justiça tem nesta circunstância uma dupla responsabilidade: (i) assegurar sem hesitações a autoridade do Estado e a prevalência do interesse público e (ii) salvaguardar a dignidade da função judicial, posta em causa pelo indecoroso radicalismo sindical.»
(Vital Moreira, in Causa Nossa)


Para o cidadão comum, naturalmente distante da complexa teia que envolve toda a arquitectura jurídica que suporta e rege o estado de direito a que julga pertencer, mas profundamente preocupado com o caminho que a "folclórica turba de 'biscoitos paupérios' armados em magistrados" tem vindo a percorrer na pretensa luta que julga poder travar com o poder executivo, eleito pelo povo ao contrário do poder a que essa mesma turba se arroga, este recado de Vital Moreira, um dos nossos mais proeminentes constitucionalistas e contribuinte lúcido e empenhado na construção da arquitectura constitucional que contra ventos e marés continua a preservar a nossa essência de povo livre e senhor do seu destino, é um bálsamo de alívio e de esperança!...

As exemplares e singulares serenidade e espírito de concórdia, sem que alguma vez tenham deixado de ser firmes e convictas, exibidas nas palavras do primeiro-ministro acerca de tão candente matéria, já nos tinham anunciado que "a procissão dos paupérios" muito dificilmente não estaria condenada ao fracasso. A tal facto tem-se juntado o inteligente silêncio da ministra da Justiça, o que naturalmente acabou por reforçar o sentimento do cidadão comum sobre para qual dos lados a razão acabaria por tender. Agora Vital Moreira acaba por dar o "golpe de misericórdia"  na "escassa representatividade" de quem se julga, umas vezes ungido pelos santos óleos, outras vezes meros trabalhadores assalariados com pleno direito de recorrer à greve: o Sol na eira e a chuva no nabal!...

Quarenta e três anos de democracia já nos trouxeram sucessivamente as mais variadas amostras sobre a génese de uma extensa maioria de quedas de primeiros-ministros: a falta de firmeza perante o(s) corporativismo(s) herdado(s) da ditadura...

O que o cidadão comum hoje espera de "geringonça" será, para além dos inegáveis sucesso económico e melhoria das condições de vida do povo que somos, através  das políticas que tem vindo a implementar,  tão só...

A firmeza que faltou antes!...

Até breve